segunda-feira, 7 de abril de 2008

Freud e a Psicanálise

“A psicanálise é usualmente creditada pela importância que a partir dela se passou a atribuir às motivações inconscientes (…), às experiências infantis e seus reflexos no adulto, ou ainda pelo relevo que atribui ao conflito.
(…) Com a teoria psicanalítica, acede-se, pela primeira vez, à tentativa de dar significado ao projecto de vida do sujeito individual na sua totalidade.”
Correia Jesuíno

Segundo Freud, a personalidade é determinada, na sua maioria, pelos impulsos sexuais e está centrada no desenvolvimento psicossexual.
De focar que a vida psíquica é regida pelo principio do prazer, isto é, a realização imediata dos desejos que entra em conflito com o ego, e pelo princípio da realidade, sendo este o que domina a vida consciente e corresponde à necessidade de adaptação ao real social, procurando um comportamento moderado e controlado. Através do princípio da realidade, o ego, em função das exigências do superego, avalia se as pulsões do id provenientes do princípio do prazer, são concretizáveis ou não.
Freud agrupa as pulsões em: pulsões de vida e pulsões de morte, sendo que as primeiras consistem em pulsões de auto-conservação que visam a manutenção do individuo e as pulsões sexuais; e as pulsões de morte ou destrutivas explicam as tendências agressivas ou de ausência total de tensões.
A estrutura da personalidade está dividida em id, ego e superego. O id é o inconsciente de onde brotam as pulsões, o ego é o consciente que a partir do superego, que é uma estância moral, determina se as pulsões podem ser satisfeitas ou não.
Freud atribui também grande importância aos estádios de desenvolvimento da personalidade. Estes encontram-se divididos em cinco estádios, sendo que o primeiro é o oral, o segundo anal, o terceiro fálico, o quarto latência e o quinto genital.
O estádio oral vai desde o nascimento aos 12/18 meses de idade e as fontes de prazer são os lábios, a boca e a língua. Estas manifestam-se ao mamar, comer e morder. Contudo, neste estádio é gerado um conflito na altura do desmame, sendo que as características da personalidade, dependendo da resolução do mesmo, poderão ser: optimismo, quando a criança ultrapassa o conflito, ou o pessimismo, quando esta deixa de mamar muito cedo; a impaciência; a inveja; e a agressividade.
Quanto ao estádio anal, podemos dizer que este vai dos 12/18 meses aos 3 anos de idade. As fontes de prazer são o ânus, no que diz respeito a reter ou expulsar, a controlar e constata-se no asseio. Neste estádio o conflito pode ser no treino e consequentemente provoca na personalidade a avareza, a obstinação, a ordem compulsiva e a meticulosidade, isto no caso do retentivo anal, visto que, se se verificar expulsivo-anal, constata-se a crueldade, a destruição, a desordem e a desarrumação.
No que diz respeito ao estádio fálico, que vai dos 3 aos 5/6 anos de idade, podemos referir que é muito importante, sendo que é neste estádio que se forma o superego. As suas fontes de prazer são os órgãos genitais, sendo que a criança explora o próprio corpo e o dos outros, tocando-os. O conflito estará presente no Complexo de Édipo, no caso masculino, e no Complexo de Electra, no caso feminino. Estes complexos são muito importantes na formação da personalidade, visto que, da resolução dos mesmos, que se baseia na independência por parte dos rapazes e das raparigas em relação aos pais; poderão advir o orgulho ou a humildade, a sedução ou a timidez, a castidade ou a promiscuidade. Tal é definido através do superego que se forma, pela primeira vez, neste estádio.
Relativamente ao estádio de latência, que vais dos 5/6 anos aos 12/13 anos de idade, podemos dizer que as pulsões estão adormecidas, visto que se verifica a ausência de interesses sexuais, presentes no estádio anterior, passando a verificarem-se a curiosidade intelectual e o relacionamento social da criança. Neste estádio, as características da personalidade consistem na aprendizagem social e no desenvolvimento da consciência moral.
Finalmente, em relação ao estádio genital, que se verifica depois da puberdade, podemos referir que começam a existir contactos sexuais com outras pessoas, não existindo conflito, como também acontece no estádio anterior.
Contudo, ao longo do desenvolvimento, se obtivermos excessivas satisfações, ou a não satisfação de algumas pulsões, estamos perante fixações, sendo que a criança cobra ao primeiro estádio a satisfação da pulsão, mesmo estando num estádio avançado.
De realçar ainda que as características da personalidade de cada individuo resultariam, maioritariamente das características inatas, das relações de objecto que estabelece, das identificações, das formas de resolução de conflitos intrapsíquicos e dos mecanismos de defesa que o ego utilizou.

1 comentário:

sara barbosa disse...

oi... peço desculpa mas esqueci-me da bibliografia... aqui vai...
http://www.prof2000.pt/users/isis/psique/unidade1/objecto/freud.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Sigmund_Freud