domingo, 27 de abril de 2008

Alzheimer

Certamente já ouviste falar de uma ou outra pessoa conhecida que seja vítima da doença de Alzheimer… Ou então, quando alguém se esquece de algo, comenta-se em tom jocoso: “Deves estar a ficar com Alzheimer!!!”. Mas o que é ao certo? Até que ponto pode condicionar a nossa qualidade de vida?

Descoberta em 1909 por Alois Alzheimer (um neuropatologista alemão), esta é uma doença degenerativa e irreversível do cérebro, que se caracteriza pela perda gradual das capacidades cognitivas superiores dos indivíduos, manifestando-se, sobretudo, a nível da memória. Visto em necrópsia (procedimento médico que consiste em examinar um cadáver para determinar a causa e modo de morte), o cérebro de um doente de Alzheimer apresenta uma atrofia generalizada, com perda neuronal específica em certas áreas do hipocampo (estrutura localizada nos lobos temporais do cérebro humano, considerada a principal sede da memória) mas também em regiões parieto-occipitais (que se localiza na parte posterior da nossa cabeça, mais conhecida por proteger o cerebelo) e frontais.

Estes défices amnésicos agravam-se com a progressão da doença e são posteriormente acompanhados por défices visuo-espaciais e de linguagem. O início da doença pode muitas vezes dar-se com simples alterações de personalidade, que nada deixam a suspeitar da gravidade da situação.
Numa primeira fase, a perda de memória causa às suas vítimas um grande desconforto. Porém, numa fase já mais adiantada do problema, estes pacientes não se conseguem aperceber da sua doença, por falha da auto-crítica. Deste modo, podemos concluir que não se trata apenas de uma simples falha na memória, mas sim de uma progressiva incapacidade para o trabalho e convívio social, devido a dificuldades para reconhecer pessoas que lhe são próximas e até mesmo objectos. Um paciente com esta doença repete as mesmas perguntas inúmeras vezes, mostrando a sua incapacidade de fixar algo novo. Palavras são esquecidas, frases são trocadas, muitas permanecendo sem finalização.
Como já acima referi, não existe cura efectiva para esta doença. O tratamento existente tem como objectivo confortar o paciente e retardar o máximo possível a evolução da mesma. São dadas medicações que inibem a enzima responsável pela degradação da acetilcolina (que é um neurotransmissor) produzida e libertada por um núcleo na base do cérebro. A deficiência de acetilcolina é considerada como um epifenómeno (ou seja, como algo que deriva da sua causa primária) da doença de Alzheimer.
Em Portugal, são 60 mil as vítimas de Alzheimer. Se conheces alguém, sobretudo com mais de sessenta anos, que apresenta características tais como perda de memória, dificuldade em executar tarefas domésticas, problemas de linguagem, perda de tempo e desorientação, alterações de humor, comportamento e personalidade, perda de iniciativa e problemas relacionados com o pensamento abstracto, leva-a imediatamente a um médico para que seja sujeita a um exame completo. Uma vez que o único tratamento existente visa a retardação da doença, um doente de Alzheimer não tem tempo a perder!

Fontes:

http://www.medicosdeportugal.pt/action/2/cnt_id/349/

http://blog.uncovering.org/archives/2007/09/doenca_alzheimer.html

http://www.alzheimer.med.br/

http://www.alzheimerportugal.org/clientSite/

Razão e Emoção

Algures numa das imensas aulas da disciplina que deu origem a este blog, foi abordado um tema interessantíssimo dado pelo nome de marcador somático.
Durante bastante tempo, e ainda muito antes da existência de António Damásio, permaneceu a ideia de que uma boa tomada de decisão, teria que ser feita apenas e só com base na razão, deixando por consequência a parte emocional de fora, com a explicação de que a parte emocional iria prejudicar na hora de tomar a melhor opção.
Até que surge este senhor, António Damásio, que expõe uma ideia contrária relativamente à importância das emoções nas tomadas de decisão, remetendo-nos para o conceito de marcador somático.
Segundo Damásio, as emoções funcionam como um mecanismo automático que orienta sempre as nossas tomadas de decisão, mesmo aquelas que à partida nos parecem ser mais simples.
Afirmou que se fosse apenas a razão que comandasse as tomadas de decisão, a análise a que o nosso cérebro teria que proceder para conseguir fazer uma avaliação rigorosa às mais variadas possibilidades e às respectivas consequências iria ser muito difícil, levando a que fosse desperdiçado imenso tempo, e, por vezes, a escolha da opção deixaria de nos ser oportuna (na avaliação de um dia irmos à escola ou não, passaria uma semana e nós ainda estaríamos em casa a fazer os cálculos às vantagens e desvantagens de todas as opções possíveis).
A utilização da emoção no processo de decisão é vantajosa porque essa análise da situação torna-se muito mais simples e rápida.
E o que é que torna este processo mais rápido?
É um processo mais rápido devido ao facto de todas as nossas decisões estarem associadas a experiências vividas anteriormente no nosso passado, e que, o nosso cérebro utiliza no presente quando nos deparamos com situações semelhantes, diminuindo drasticamente o leque de opções, e eliminando assim todo aquele processo de análise a todas as possibilidades.

domingo, 20 de abril de 2008

Bibliografias...

Atenção à bibliografia, fontes de inspiração e outras...as referências bibliográficas são mesmo importantes, OBRIGATÓRIAS e só vos ficam bem. Guardem esta mensagem na memória a logo prazo. Podem enviar a bibliografia de que se esqueceram sob a forma de comentário aos vossos artigos já publicados. Continuação de um excelente fim de fim-de- semana. Animem-se! Apesar de amanhã terem teste de Psicologia, a semana só tem quatro dias...a chuva não dura sempre e o sol não tarda.

As emoções...outra vez

Todos os dias estamos sujeitos a desenvolver uma infinidade de emoções diferentes, conforme os acontecimentos e situações que vivemos.
Todas as emoções vêm acompanhadas por reacções fisiológicas, ou seja, o nosso corpo reage conforme as nossas emoções. Por isso, quando temos medo, quando estamos nervosos ou nos encontramos perante outras emoções há um aumento de adrenalina que faz com que o nosso coração dispare e o corpo entre em estado de alerta!
Choramos quando estamos tristes, sorrimos quando estamos felizes, coramos com vergonha, suamos, trememos, alteramos o tom de voz…bem, são inúmeras as formas como manifestamos aquilo que sentimos. E por esse mesmo motivo, as emoções têm um importante papel ao nível comunicacional. Vejamos o caso dos bebés, por serem seres de carácter prematuro, necessitam dos cuidados dos adultos e por isso ficam sujeitos a uma única forma de verem satisfeitas as suas necessidades, ou seja, através das manifestações emocionais (choro, riso e expressões faciais).
As emoções são uma forma de interagirmos com a sociedade, acontece muitas vezes sentirmo-nos contagiados pela emoção de outra pessoa o que nos leva a querer experimentar aquilo que ela está a sentir, por exemplo, ver rir pode fazer outras pessoas sentirem-se felizes.
Pelo despertar constante de variadas emoções é difícil imaginar a vida sem elas, uma vez que, na minha opinião, somos seres que vivem para as emoções, de modo a sentirmo-nos felizes e repletos de bem-estar.

Como, quando e porquê aprendemos?


Podemos definir aprendizagem como uma modificação relativamente estável do comportamento ou do conhecimento, que resulta do exercício, experiência, treino ou estudo. É, portanto, um processo que se manifesta em comportamentos. Mas mais que definir aprendizagem é importante que saibamos os factores que nos levam a aprender, quando o fazemos e o motivo pelo qual nos dispomos para tal.
Ora bem, existem vários processos de aprendizagem mas, na minha opinião, seria abusivo da minha parte estar a descrevê-los já que, para o senso comum isso chega a ser irrelevante e, por conseguinte não os descreverei.
Como é perceptível para todos nós, senso comum ou não, existem factores que nos ajudam a perceber como aprendemos e como exemplos desses factores temos a organização, o que quer dizer que se planearmos e organizarmos o nosso trabalho isso desenvolverá a nossa autonomia e ajudar a aprender; a motivação com que aprendemos, já que se aprende melhor e mais depressa se se estiver interessado por esse assunto ou tema; a quantidade de informação porque quando a informação é bastante vasta vemo-nos obrigados a seleccionar o mais importante uma vez que é-nos mais complicado integrar grandes quantidades de informação.
É importante referir que a aprendizagem é condicionada pelo nosso processo pessoal, pelo nosso “eu” e isto explica que a mesma informação tenha significados diferentes para pessoas diferentes.
Aprendemos porque somos seres biologicamente sociais e que, no decurso do nosso processo de socialização somos bombardeados com informações que temos que aprender; aprender a andar, aprender a escrever, aprender a aceitar a diferença, aprender…
Espero que depois de lerem esta pequena reflexão sobre a aprendizagem fiquem todos pessoas mais interessadas em aprender.

O teu caminho já está traçado ?

Estava eu a ver um jornal e eis que a páginas tantas me deparo com uma expressão que por vários motivos me deixou a pensar – “o seu caminho já estava traçado”. Fiquei ponderando em tal afirmação, questionando-a; no fundo, pensando se seria ou não verdade construir uma opinião relativamente a tal assunto.
E, na minha opinião, todos nós temos as nossas estradas traçadas, mas somos nós quem as escolhemos; ou seja, cada indivíduo como ser humano livre e responsável que é, tem a possibilidade de construir o seu próprio destino.
Provavelmente agora questionam-se: “Como pode ser possível se já está tudo traçado?” Sim, como referi anteriormente, acredito que está tudo traçado, mas penso que todos temos sempre o direito e dever de colocar o último «ponto» no nosso destino. Por exemplo, imagina que vais perdido(a) numa estrada, e deparas-te com uma encruzilhada, tu só podes seguir um desses caminho e, com essa escolha, estás a construir o teu próprio destino; a consequência dessa opção pode ser boa ou má, mas qualquer que seja, tens que a levar até ao final do teu percurso, tal como na tua vida, quando te surgem alguns problemas ou te deparas com algumas situações em que tens várias possibilidades de escolha, és tu quem decides e acarretas as consequências dessa decisão.
Com as reacções/consequências da nossa escolha ou do nosso acto, surge o determinismo, já que todos temos sempre possibilidade de escolha, mas a reacção das opções anteriores vai estar sempre presente no momento de ponderação/decisão das escolhas seguintes. Logo, todos os acontecimentos passados que de alguma forma nos tenham marcado, vão constar sempre de forma explícita ou implícita nas decisões seguintes.
É frequente ouvirem-se expressões como “o meu destino é mesmo esse sofrer” - será então que esta afirmação está relacionada com o determinismo? Sim, esta afirmação está relacionada com o determinismo, mas as pessoas não devem pensar assim, até porque não há fatalismos, mas sim desafios, superação de obstáculos e de sofrimentos. E é nesta altura que está presente o livre arbítrio, aquando da tentativa de superação de desafios como, por exemplo, uma pessoa que nasce com dificuldades no campo de visão em muitos momentos da sua vida irá fazer desse desafio uma fonte de sofrimento. No entanto, irão haver outros momentos em que obtém forças para continuar e, assim, esse pensamento reverte-se para um pensamento mais positivo – “eu possuo uma necessidade especial, mas tenho todas as oportunidades para continuar e vencer”.
Em suma, todos nós temos possibilidade de escolha como seres livres e responsáveis que somos; através da nossa opção reverte uma consequência, consequência esta que irá estar sempre presente nas escolhas seguintes, conduzindo-nos por vezes a pensamentos errados ou, por outro lado, à superação dos “problemas”. Estes conjuntos de acções e reacções levam à construção do nosso destino/ das nossas estradas, demonstrando que, mesmo que algo nos esteja predestinado, a nossa acção mudará, nem que seja por breves instantes, o decorrer da nossa vida.

Sentimentos e Emoções

Os processos emocionais são diferentes dos processos cognitivos, mas estão interligados. Por isso, a nossa relação com o mundo não é só cognitiva é também emocional. Quando abordamos os processos emocionais surge o conceito de afecto, que é expresso através das emoções e os sentimentos. Por vezes confunde-se sentimentos com emoções, mas de certa forma são bem diferentes. Os sentimentos são duradouros e fáceis de esconder. Já as emoções espontâneas e têm uma parte corporal (mãos suadas, agitação, choro, riso, melancolia…). As emoções são necessárias para comunicar, para nos adaptarmos com sucesso a nossa sociedade e assim conseguir sobreviver. Há uma ligação com as relações precoces (relação – mãe/filho), em que o filho tem expressões corporais para garantir a sua sobrevivência. Também beneficiamos das emoções para reconhecer se uma emoção é má ou não, por associação, ou seja, se sentimos frio, isso é para nós uma emoção má. Ao contrário dos sentimentos, as emoções são muito difíceis de esconder, pois são corporais e espontâneas. Mas por vezes os sentimentos tomam conta das emoções, daí por vezes, a confusão destes dois conceitos.
Damásio estabeleceu uma relação entre a racionalidade e as emoções. Por isso as emoções não conseguem ser reproduzidas por uma máquina, pois esta não tem a competência de racionalidade. A emoção juntamente com a razão ajuda-nos a tomar a melhor decisão. Por vezes, há certas coisas que não nos apetece ou não queremos fazer, e não sabemos porque, é aqui que a razão esta ligada a emoção. É graças a esta conexão, destes dois conceitos que conseguimos resolver problemas, comunicar com os outros, adaptar-nos com sucesso e sobreviver na nossa sociedade. O ser humano possui memória emocional: sítios, pessoas, situações. E estas emoções estão localizadas no tempo, têm duração limitada e também têm intensidade diferente.
Por estas razões que supra citei, as emoções e os sentimentos são muitas vezes confundidos.


Bibliografia
Monteiro, Manuela e Pedro Tavares, Ser humano, Psicologia B, Porto Editora, 2ª parte

Memento. Um novo olhar sobre a vida

“Memento” é sem dúvida o filme mais confuso que vi até hoje.
História de um homem em perda — das suas recordações, da sua identidade coloca-nos a nós espectadores nessa experiência de "desertificação" de referências. Estamos condenados, como o protagonista, a rebobinar obsessivamente o filme da nossa memória. Sabemos o que aconteceu e não o que vai acontecer. Começa na última parte e vai retrocedendo até à primeira, o que é um desafio à atenção do espectador e, graças à excelente montagem, o resultado é empolgante e eficaz, além de ser muitíssimo original! E depois há a reviravolta final, completamente imprevisível, deixou-me de boca aberta e ainda mais confusa.
“Memento” torna-se, nesse sentido, num dos trabalhos mais estimulantes sobre a capacidade e o significado da memória de um ser humano e da rotina desse pensamento.
Com a visualização deste filme pude dar-me conta do quão importante é a nossa memória, o quão importante é lembrar-me do que fiz ontem ou o que disse à vinte minutos atrás. Este filme transportou-me para outra realidade, uma realidade marcada pela confusão e igualmente por um sentimento intenso de frustração. Apercebi-me que, a memória assume um papel de grande importância no meu dia-a-dia que até agora não me tinha dado conta. Não podemos viver de uma forma organizada se não tivermos o suporte essencial, a nossa memória.

Emoções


A emoção está relacionada com uma espécie de “agitação” ou perturbação que se refere a um sentimento e a pensamentos distintos, estados psicológicos e biológicos e uma tendência para agir.
As emoções podem estimular um determinado pensamento e este, por sua vez, pode provocar uma determinada emoção. Este mecanismo explica o funcionamento combinado e inseparável entre a razão e as emoções.
São as nossas emoções que nos orientam diante dum impasse, e, quando estamos diante de uma decisão muito importante, é deixada a sua solução inteiramente ao cargo da parte racional. Em situações de perigo, na experiência da dor causada por uma perda, na ligação com um companheiro, na formação de uma família, constituem diferentes tipos de emoção que vivenciamos e que nos predispõe para uma acção imediata, cada uma sinaliza para uma direcção que, nos recorrentes desafios enfrentados pelo ser humano ao longo da vida, provou ser a mais acertada.
Todas as emoções são em síntese, impulsos legados pela evolução, para uma acção imediata, para planeamentos instantâneos que visam lidar com o dia-a-dia. Essa relação entre emoção e acção imediata é visível por exemplo na observação de animais e crianças, ao contrário dos adultos onde detectamos a força do pensamento racional, sobrepondo-se às emoções.
As emoções podem dividir-se em forma de atitudes que as distinguem: raiva, medo, amor, felicidade, tristeza (….).
Podemos então dizer que as emoções estão relacionadas com valores, ideias, princípios, experiências vividas. Reflectem significados e sentidos que atribuímos às pessoas, objectos acontecimentos.
As emoções têm um valor adaptativo, porque são sinalizadoras de determinados estados. O código de comunicação que as constitui pode ser menos preciso que o código linguístico, mas a comunicação é mais rápida e poderosa.

A importância da memória

A memória é um processo cognitivo que consiste na retenção e na evocação das informações, conhecimentos, acontecimentos, expectativas, conceitos, ideias, sentimentos… a memória é essencial para a nossa sobrevivência, sendo condição da adaptação ao meio e para aquisição de novas aprendizagens. É a memória que assegura a nossa identidade pessoal. Se perdêssemos a memória deixaríamos de ser aquilo que somos, aquilo que somos, que fomos e que seremos depende em grande parte da memória. É este património individual que nos torna únicos e nos assegura a nossa identidade pessoal. É a memória que nos permite representar o mundo.
O filme “Memento” pode confirmar a importância que a memória tem na nossa vida. Memento conta-nos a história de Leonard, que sofre de amnésia anterógrada (este tipo de memória segue-se de um trauma cerebral e é caracteriza-se pela incapacidade de lembrar novas informações, lembranças de experiências recentes desaparecem, mas a pessoa consegue recordar com clareza os eventos anteriores ao trauma) devido a uma pancada que levou na cabeça do criminoso que violou e matou a sua esposa. Este procura o assassino que arruinou a sua vida, para fazer justiça com as próprias mãos. Como não consegue lembrar de nada por mais de alguns minutos, pois este não tem qualquer tipo de memória recente, ou seja, qualquer coisa que faça, qualquer pessoa que conheça é imediatamente esquecida, Leonard faz anotações de tudo o que vê, ouve e até das coisas mais rotineiras, como fazer a barba. A sua memória é registada em fotos Polaroid e as mais cruciais são tatuadas em seu corpo, muitas vezes por ele mesmo. Durante esta desesperada busca, ele conhece o ambíguo Teddy, que diz ser policia, e a Natalie que promete ajudá-lo, porém, dá indicações que o está somente a usar para o seu próprio interesse.
Na mão esquerda de Leonard há uma tatuagem que diz "lembrar de Sammy Jankis". Sammy também sofre de amnésia anterógrada depois de um acidente. Mas na verdade, a história de Sammy é a história de Leonard, as memorias que este retém do passado, foram manipuladas por ele, criando uma realidade completamente oposta em relação ao que realmente aconteceu do passado. Isto acontece porque, a nossa memória não é uma reprodução fiel do passado, uma vez que, as recordações estão marcadas pela experiência, pelas emoções, pelos afectos, pelas representações sóciais. A memória reconstrói os dados que recebe ao longo do tempo dando relevo a uns, distorcendo ou omitindo outros. Há como que uma idealização do passado.
Neste filme o ritmo rápido das cenas em preto e branco (passado) e a cor (presente) até à junção final do preto e branco com a cor, torna "Memento" ainda mais intrigante e obriga-nos a exercitar a nossa memória. Mostram o passado de Leonard antes do incidente e também são peças essenciais para a montagem deste filme "quebra-cabeças". "Memento" exige concentração. Este filme mostra o quanto a memória é essencial à nossa sobrevivência, sem memória é impossível viver.

Bibliografia:
Livro de Psicologia de 12ºAno “Ser Humano”
Imagem: http://images.google.pt/images?hl=pt-PT&q=filme+memento&gbv=2

Amor ou ilusão?

“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”
Fernando Pessoa


Muitas pessoas nascem, crescem e morrem sem saberem o que é o amor…vivem na ilusão. Por isso, é que certas pessoas acham que essa simples palavra é tão fácil de sentir, quanto é de ser dita. Seria realmente uma ilusão o que não tem dificuldades, mesmo nas coisas mais maravilhosas da vida? Pois há paciência, não há orgulho, mas há alegria de se estar junto, mesmo nos momentos mais complicados.
“O amor é mais do que três palavras murmuradas antes de chegar a altura de ir para a cama. O amor alimenta-se de gestos da devoção que pomos nas coisas que fazemos pelo outro, todos os dias.” O amor não é algo palpável, para que se possa possuir. O amor é algo que se vive. Não é possível ter alguém, é possível sim, partilhar uma existência em comum.
Se me perguntassem o que é o amor para mim, não saberia responder, não saberia explicar. Por ser um sentimento tão complicados de definir, por isso, é que principalmente as mulheres têm necessidade de ouvir constantemente dizer que a amam, mas se este é tão difícil de saber o que é, imagine o quanto será difícil de o exprimir.
Define-se o amor como um sentimento pois, normalmente, pode durar por toda a vida, contudo o que está por detrás do amor e da sua vivacidade, é a emoção. Mas infelizmente esta é que não está duramente ligada ao amor e, quando esta acaba a relação não tem a base, o suporte que mantém a chama do amor viva.
Todos carecem de amor e querem reconhecer esse sentimento em si e nos outros, não importando idade ou sexo. O amor é vital para as nossas vidas como o ar que respiramos, e é notoriamente reconhecido que sem este o homem não sobrevive, pois o amor equilibra e traz a paz de espírito quando necessário. No entanto, se o amor é o sentimento que faz de nós um ser tão especial porque é que vivemos numa sociedade cada vez mais egoísta e egocêntrica, uma sociedade voltada para os seus próprios interesses e em que cada um de nós lamenta os grandes males do mundo de braços cruzados.

Fontes:
. MONTEIRO, Manuela Matos; FERREIRA, Pedro Tavares; “SER HUMANO”, 2º parte
. SPARKS, NICHOLAS; “ALQUIMIA DO AMOR”

Emoções à lupa

Sendo a emoção um tema tão complexo, foi analisado segundo várias perspectivas, sendo que os vários autores destas tentaram responder a várias perguntas, tais como: existem emoções universais? Terão as emoções um carácter positivo ou negativo? Serão controláveis?

Nesse sentido surgiram diferentes abordagens a esta questão, das quais estudamos quatro:
- a perspectiva evolutiva: segundo a qual Darwin afirmou que, além de existirem emoções universais, estas teriam uma relação com a evolução das espécies – sendo algumas delas universais, e manifestando-se de forma relativamente regular, seria mais fácil para os seres humanos reconhecerem os “sinais” ligados a determinadas emoções, preparando-se para as enfrentar. Por exemplo, se um ser humano reconhecesse os indícios de uma expressão de fúria noutro, poderia preparar-se para se defender ou para fugir, o que evitaria, provavelmente, a sua morte. Assim, Darwin concluiu que as emoções teriam, no contexto da espécie humana, um papel adaptativo fundamental, possibilitando a nossa sobrevivência.
- a perspectiva fisiológica: na qual William James defende que são as alterações fisiológicas que geram as emoções, e não o contrário como normalmente percepcionamos. A emoção seria, dessa forma, a consciência das modificações fisiológicas associadas a determinado acontecimento.
- a perspectiva cognitivista: que defende uma ligação entre os nossos conhecimentos e as nossas emoções. Estas não consistiriam na reacção a um determinado acontecimento, mas na reacção à percepção pessoal do mesmo, o que justifica que pessoas diferentes reajam ao mesmo acontecimento de forma diferente.
- a perspectiva culturalista: cuja essência reside no facto de as emoções serem comportamentos aprendidos no processo de socialização, e de, consequentemente, não existirem emoções universais. Sendo estas derivadas do processo de socialização, variariam no espaço e no tempo.

Analisando-as, conseguimos encontrar várias críticas, no entanto, pessoalmente, parece-me que todas se encaixam na perfeição, pois, apesar de não fazerem sentido separadas, juntas formam um conjunto com maior sentido: a perspectiva evolutiva e a culturalista, juntas, formariam uma perspectiva mais adequada já que algumas das nossas emoções são inatas como a primeira afirma, mas as restantes são aprendidas no contexto em que nos inserimos, o que está de acordo com a segunda. Relativamente à perspectiva fisiológica, esta tem também alguma lógica, mas não relativamente a todas as emoções. O medo, por exemplo, como é referido no livro de psicologia, não se enquadraria muito bem nesta perspectiva. É extremamente difícil para nós imaginarmos que só depois de começarmos a correr é que sentimos medo. Outras, como a tristeza ou a alegria por exemplo, já se enquadram melhor nesta perspectiva. Por último, a perspectiva cognitivista, parece-me ser a melhor de todas, porque explica a subjectividade das nossas emoções, e esta seria, na minha opinião, a única que não deveria ser alterada.
Concluíndo, penso que o melhor seria mesmo uma associação entre estas visões do mundo…
No entanto, gostaria também que publicassem as vossas opiniões relativamente a este assunto: quais são as perspectivas com as quais concordam? E as que discordam? Também acham que o melhor seria uma associação entre elas?


Bibliografia:
MONTEIRO, Manuela matos e OUTROS, Ser Humano – 12ºano Psicologia B, Porto Editora, 2007.

Marcador Somático


São as áreas pré-frontais do nosso cérebro que se encontram relacionadas com as emoções. Com efeito, as experiências emocionais que cada individuo vivência ficam então, como que, “marcadas” nesta zona cerebral. A isto, António Damásio denomina de marcador somático.
Assim, numa dada tomada de decisão, decorre uma ligação entre o estado corporal e o tipo de situação presenciada. Dava-se, então, uma orientação do comportamento, das opções, devido ao facto de as manifestações corporais se associarem à situação vivida simulando as consequências esperadas.
Serve, deste modo, o marcador somático para restringir/diminuir as opções possíveis, visto fazer uma análise lógica e de custo-beneficio.
Se “não existisse” marcador somático, as opções misturar-se-iam com as opções e o raciocínio demoraria uma infinidade de tempo a analisar estes pares opções/consequências. Mecanismo automático facilitador do quotidiano, o marcador somático suporta as nossas decisões.

Bibliografia:
- Manual 12ºano Psicolgia B – Ser Humano 2ª Parte
-http://marcadorsomatico.blogspot.com/2007/06/incio.html

Impressões

“Preocupe-se mais com sua consciência do que com a sua reputação. Porque a sua consciência é o que você é, e a sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam, ê problema deles!”
Autor desconhecido
Provavelmente, muitos são os indivíduos que lêem esta citação e concordam com o seu autor. Em épocas passadas, também eu o faria, mas graças à psicologia e ao seu estudo, cheguei à conclusão que a primeira impressão que provocamos nos outros pode influenciar a nossa vida positiva ou negativamente. Aquilo que os outros pensam de nós é deveras importante. Para uma melhor compreensão do que digo, tenhamos com exemplo a procura de um emprego. A primeira impressão que os outros têm de nós pode ser decisiva no que toca ao ficar ou não com o cargo. Independentemente do currículo que apresentemos a primeira impressão pode levar a que o outro tenha uma imagem errada de nós e decida que não devemos ficar com o lugar. Assim, e da mesma forma, uma pessoa que não apresente um grande currículo e que mostre que não tem aptidão para o cargo pode ficar com o mesmo porque apenas provocou uma boa impressão no entrevistador. É certo que as primeiras impressões são na maioria das vezes enganadoras, mas estas, são também muitos persistentes e esta é a sua principal característica.
A formação das impressões é um processo que envolve diversos aspectos, assim, num primeiro contacto, construímos uma imagem do indivíduo através de alguns indícios que recolhemos. (É necessário ter em conta que um mesmo conjunto de indícios pode levar pode levar diferentes pessoas a avaliar de forma diferente um mesmo individuo, visto que cada um de nós interpreta de forma diferente estes mesmos indícios, de acordo com a sua história pessoal.) Organizamos a informação que recolhemos e integramos o indivíduo numa categoria. Ao inserir o indivíduo numa categoria vou automaticamente atribuir-lhe as características pertencentes a essa mesma categoria. Desta forma a primeira impressão que formamos acerca do outro vai condicionar o nosso comportamento para com ele e portanto o seu para connosco.
Assim, tendo em conta o exemplo da procura de emprego, podemos facilmente verificar que ao formarmos uma impressão do indivíduo vamos inclui-lo numa categoria, podemos considerar que as características dessa categoria não se adequa ao cargo em questão e desta forma decidir que aquela não é a pessoa indicada.
Atribuir importância ou simplesmente ignorar aquilo que os outros pensam de nós são comportamentos que não podemos delinar e generalizar. Diferentes situações vão exigir comportamentos diferentes da nossa parte e a chave é saber adequá-los.

Exercitar o cérebro!

É necessário exercitar o cérebro!

Uma maneira fácil de o fazer é lavar os dentes de vez em quando com a mão esquerda no caso de se ser destro. O simples gesto de trocar de mão para escovar os dentes, contrariando a rotina e obrigando à estimulação do cérebro, é um exercício de neuróbica, uma nova técnica para melhorar a concentração, treinando a criatividade e inteligência. Se nas crianças a técnica tem como vantagem melhorar a concentração, raciocínio lógico e pensamento criativo, nos mais idosos ajuda à longevidade do cérebro. Um bom exercício para o cérebro de uma pessoa idosa é aprender uma língua nova, por exemplo.
Cerca de 20 crianças e adolescentes, dos sete aos 16 anos, participaram recentemente, em Lisboa, no primeiro curso de neuróbica destinado a crianças e ao grande público, um evento organizado pelo Instituto da Inteligência.
Neste curso, os participantes aprendem a concentrar-se, a desenvolver os sentidos da visão, tacto e audição, fortalecendo ao mesmo tempo determinadas zonas do cérebro implicadas na memória, criatividade e inteligência.
A neuróbica é a designação criada pelo neurobiólogo Lawrence Katz –investigador do Instituto médico norte-americano Howard Hughes - para um conjunto de exercícios de estimulação cerebral.
O objectivo é conseguir estimular o crescimento celular de determinadas áreas do cérebro e desenvolver as capacidades cognitivas.


atuleirus.weblog.com.pt/arquivo/cerebro.gif

Emoções

“As emoções são um incrível dom que temos,
Para perceber aquilo que estamos a pensar...”
BOB DOYLE
Todos os dias, a todas as horas e a todos os minutos estamos sujeitos a desenvolver uma infinidade de emoções tendo em conta todos os acontecimentos e pessoas que fazem parte dos mesmos.
As emoções têm um papel fundamental no nosso dia-a-dia por isso, é importante saber lidar com elas.
Somos constantemente invadidos por emoções, elas são como que um turbilhão e nem sempre temos a capacidade de perceber o que se está a passar dentro de nós. Por isso, é importante conhecermo-nos e conhecermos igualmente as nossas emoções.
As emoções fazem-se sempre acompanhar por reacções fisiológicas. Quando sentimos medo, a adrenalina aumenta e o nosso coração passa a bater mais forte. Quando estamos felizes, o corpo produz endorfinas, daí a sermos invadidos por uma sensação maravilhosa de bem-estar.
Todas as emoções são de certa forma positivas ou negativas. Recebem esta designação por causa do tipo de sensação que despertam. As emoções positivas como o amor, alegria despertam experiências agradáveis já as negativas como a raiva, medo, tristeza, ansiedade despertam sensações desagradáveis e que, muitas vezes atrapalham a comunicação entre as pessoas se não forem bem compreendidas.
A vida humana é complexa e dinâmica e, por isso, é possível oscilar entre sensações positivas e negativas ao longo de um dia. A influência negativa das emoções pode ocorrer se não desenvolvermos a capacidade de compreendê-las e, consequentemente, controlá-las e dirigi-las para fins positivos.
Com a experiência vamos aprendendo a identificar as nossas próprias emoções, e perceber como elas influenciam a nossa vida e assim, vamo-nos conhecendo melhor.
Quando percebemos o que sentimos conseguimos perceber mais facilmente o que sentem os outros e, assim facilitar a comunicação e evitar conflitos.
Expressar o que sentimos é muito difícil é uma aprendizagem diária.
Sem emoções a vida não teria o mesmo sentido. É bom sentir na pele intensamente todo o tipo de emoções alegria, tristeza, raiva, medo, ansiedade…
É com todas estas emoções, que vamos crescendo e aprendendo a ser mais humanos.

Ansiedade

Susto faz “gelar” sangue nas veias dos assustadiços

Pesquisa cauciona ideia generalizada
Quem vive em alarme permanente tem maior tendência para a formação de coágulos

Apanhamos um susto e, quando descrevemos a situação dizemos que até o sangue gelou nas nossas veias. A expressão não anda longe da verdade, garantem agora cientistas da Universidade de Bona, Alemanha. Não é que o sangue gele, de facto, nessas circunstâncias, mas tem tendência a coagular. Um perigo, pois os coágulos que se desprendem das veias são os responsáveis mais directos dos enfartes do miocárdio e dos acidentes vasculares.
Quando apanhamos um susto ou somos confrontados com uma surpresa desagradável, a melhor forma de descrevermos a emoção é dizer que o sangue no gelou nas veias. Agora, tal expressão está avaliada por experiências científicas. Uma equipa de investigadores, que inclui especialistas em psicoterapia, hematologia e transfusão sanguínea, vem dizer que há alguma verdade no que sentimos.
Já antes, alguns estudos apontam para a influência do stress e da ansiedade na coagulação do sangue. Agora aqueles investigadores a Universidade de Bona garantem que encontraram uma relação entre os nossos, medos, sustos, ansiedades e ataques de pânico com a activação do sistema de coagulação do sangue. A coagulação é um processo que nos protege de hemorragias, espessando o sangue; mas o nosso equilíbrio depende também de outro processo, que dissolve a fibrina, presente no sangue coagulado.
A pesquisa envolveu a recolha de amostras de sangue tanto de pessoas sem problemas psicológicos como de outras com problemas de ansiedade e fobias. Quando comparadas essas amostras, foi constatado que, nas pessoas ansiosas, se acentuava a tendência para a coagulação. Ora, em casos extremos, a coagulação pode levar a que fique bloqueada uma artéria. O processo pode não ter efeitos imediatos, mas ser insidioso. Qualquer coagulo que se forme num vaso sanguíneo, se se desprender ou entupir uma veia ou uma artéria, torna-se mais tarde ou mais cedo, factor de desencadeante de um acidente vascular cerebral ou de um enfarte miocárdio. O que pode ser um grande susto para cada um de nós ou o maior e definitivo que pregamos aos outros.
Convêm ter calma
Não é preciso ficar ansioso mas prevenir
Os autores do estudo afirmam que as pessoas ansiosas não o devem ficar mais ao saberem que a sua coagulação pode ser mais intensa. Os valores medidos, dizem, não implicam riscos imediatos nem inevitáveis. Outros factores como a obesidade e o tabaco contam mais.
Situações do dia-a-dia devem ser enfrentadas
A coagulação em pessoas ansiosas e com ataques de pânico merecia mais atenção nos programas preventivos da doença cardíaca, dizem os autores do estudo. Tais pacientes têm três a quatro vezes mais hipóteses de morrer por doença cardíaca, segundo estatísticas.”

in JN, 31/04/2008

A ansiedade é uma emoção que sentimos perante determinadas situações ou pensamentos. Todos nós já passamos por situações em que a ansiedade nos domina causando em nós agitação e nervosismo. Podemos sentir ansiedade nos mais diversos contextos pessoais ou sociais e o facto de uma situação provocar ansiedade numa pessoa não significa que todos os indivíduos tenham essa mesma reacção. (Como seres diferentes que somos reagimos de forma diferente ainda que o estimulo seja o mesmo). Em muitos casos a ansiedade é confundida com o medo. O medo diz respeito a uma reposta do organismo relativamente a uma perigo real, enquanto que a ansiedade reporta-se a uma ameaça que pode ser desconhecida e indefinida. A ansiedade tal como todas as outras emoções apresentam um valor adaptativo (como iremos comprovar aquando do estudo dos processos emocionais) em dois sentidos na medida em que por um lado protegem-nos de situações que podem ser eventualmente perigosas e são essas reacções que nos avisam desses perigos e por outro são sinalizadoras de determinados estados, por exemplo entre um recém-nascido e os pais (questão que foi alvo de estudo aquando o tratamento das relações precoces).
Como já referi anteriormente a ansiedade é uma emoção normal nos seres humanos, mas pode tornar-se um problema quando os sintomas começam a ser em excesso e se manifesta durante um longo período de tempo, ou ainda se, a sua causa tem origem numa ameaça imaginária e obsessiva. Devemos desta forma estar atentos à forma e à intensidade em que a ansiedade se manifesta em nós e nos outros uma vez que esta emoção e sintomas podem ser desvalorizados pelo próprio. Os sintomas da ansiedade podem manifestar-se em diferentes níveis: ao nível cognitivo, ao nível fisiológico e ao nível comportamental. Por exemplo quando temos uma preocupação constante (cognição) podemos apresentar dores e tensão muscular (fisiologia) e mexer nervosamente as mãos (comportamento). Recentemente, e tendo em conta o artigo do JN, um estudo mostra que a ansiedade faz com que o sangue tenha tendência a coagular. Ao ler o artigo ficamos a perceber que esta situação constitui um perigo para a saúde mas é necessário não entrar em alertas excessivos. É, sim, necessário ter calma, pois esta é a melhor forma de combater a ansiedade.
São várias as causas que podem levar ao aparecimento da ansiedade e existem alguns factores base delineados por psicólogos e investigadores. Assim em muitas pessoas a ansiedade é o resultado de uma educação de super-protecção em que as crianças desenvolvem uma vinculação ambivalente/resistente com as pessoas que cuidam preferencialmente delas, desta forma, com já estudamos, estas crianças tornam-se adultos com medo de tudo e que não conseguem enfrentar os seus medos e com tal preocupam-se demasiado com situações e acontecimentos normais. A ansiedade pode também resultar de experiências traumáticas que tenhamos tido no passado ou que tenhamos aprendido com a experiência dos outros. Alguns estudos revelam que a ansiedade apresenta uma base genética e que esta ao longo da nossa vida pode ser estimulada ou inibida.
Provavelmente muitos de nós encontraram respostas ao porquê da nossa própria ansiedade, e, na minha opinião saber qual a causa do problema é o primeiro passo a dar na resolução do mesmo.

Bibliografia consultada
http://www.sas.ualg.pt/sasgpap/quem.htm
http://www.medicosdeportugal.iol.pt/action/2/cnt_id/1442/
http://jcsantiago.info/ansiedade.html

Phineas Gage


Phineas Gage era um funcionário dos caminhos-de-ferro americanos que viveu no século XIX. Em 1848, quando tinha 25 anos, teve um acidente que acabou por o tornar famoso: ao colocar explosivos para abrir caminho numa rocha, provocou uma explosão. A barra de ferro usada para empurrar os explosivos atravessa a cabeça, penetra o queixo, arranca-lhe o olho esquerdo e sai pela parte superior do crânio. Assistido num hospital, recupera acabando por viver 12 anos. Para além das crises de epilepsia esporádicas, manteve as suas funções motoras bem como as capacidades intelectuais.
Apesar das suas funções intelectuais se manterem intactas, o acidente provocou alterações na sua personalidade. Aquele que era um homem pacífico trabalhador e educado passou a ser um homem colérico, instável e mal-educado. Desta forma acabou por perder o emprego e tornou-se numa atracção circense. A barra de ferro acompanhou-o por toda a sua vida e foi enterrada com ele. O seu cérebro foi conservado no Museu da Escola Médica de Harvard e posteriormente tornou-se objectivo de estudo por parte de dois investigadores portugueses Hanna e António Damásio.
Como vimos na triste história de Gage o acidente não afectou as suas funções intelectuais mas afectou outro tipo de funções superiores que distinguem dos seres humanos dos outros animais, com a reflexão, a decisão, a consciência, a imaginação, entre outras. Gage era incapaz de tomar decisões, o que à partida nos parece simples para quem é tutor das suas capacidades intelectuais. Damásio nas suas investigações concluiu que as áreas pré-fontais (área afectada no cérebro de Gage) envolvem complexas relações com as emoções. As relações entre o córtex pré-frontal e as emoções dão-se nos dois sentidos: o córtex apoia-se nas informações emocionais para tomar decisões e tem também um papel inibidor das emoções (controla os impulsos). A ruptura entre o centro emocional e o córtex pré-frontal pode levar à indiferença afectiva. No caso de Gage acontece o contrário, como a área afectada foi o córtex pré-frontal não há controlo das emoções o que o levou a ter comportamentos impulsivos e descontrolados.

Razão e Emoção



"Metade dos nossos erros na vida nascem do facto de sentirmos quando devíamos pensar e pensarmos quando devíamos sentir."
J. Collins
E não é mesmo?! Não são as grandes confusões que pairam nas nossas cabeças, quando as decisões a tomar são de grande importância? Não é fácil decidir-mos guiando-nos por uma só, é difícil isolar razão de emoção! Mas quantas vezes dizemos “sê racional” ou então “deixa-te levar pelo coração”, não conseguimos ser imparciais. Que tal a vida baralhar as cartas e jogarmos com as duas vias??
É certo que no decorrer do tempo, se ouvia, se acreditava e até mesmo se defendia que razão e emoção eram independentes, não se misturavam, assim como a água e o azeite. Mas na História também houve quem discordasse e tentasse provar sua teoria, António Damásio fez concluir que a tomada de decisão (vista essencialmente por processos racionais) implicava a emoção. Vejamos, nem sempre o valor lógico, o raciocínio nos possibilita optar devido às inúmeras opções possíveis, assim é necessário recorrer às nossas experiências emocionais que vivemos em situações idênticas.
Possamos então desistir de colocar a emoção de lado para decidirmos acerca de algo? Que a tomada de decisão depende do raciocínio e das emoções, depende! São vias complementares para. Agora decide como quiseres …

“Sem emoção, ficaríamos impossibilitados de fazer as escolhas mais simples”


Bibliografia:
- Manual de Psicologia B 12º ano – Ser Humano 2ª Parte

domingo, 13 de abril de 2008

Os bebés dominam o mundo

Certamente se olhares para esta imagem, não vais conseguir conter a vontade de agarrar o seu protagonista – o bebé. De facto, a aparência dos bebés é extremamente apelativa. Olhos e bochechas grandes, sorrisos ternos, incapacidade de andar e falar, são algumas das características que identificamos em todos eles. A sua vulnerabilidade perante o mundo que os rodeia deixa-nos enternecidos e incapazes de negar os seus pedidos. Sim, pedidos! Apesar de não conseguirem articular nenhuma palavra (pelo menos nenhuma que seja perceptível aos adultos!), estes “homenzinhos” em miniatura são, ao contrário do que durante muito tempo se julgou, sujeitos activos. Dispondo de várias capacidades e competências para comunicar – competências básicas do bebé –, conseguem estimular as pessoas à sua volta a agir de acordo com a suas necessidades. Através do choro, do sorriso, do contacto físico ou outro tipo de expressões faciais, transmitem a sua condição física e emocional como, por exemplo, a fome, o medo, a dor. Há, portanto, uma troca de sinais entre o bebé e os progenitores (que não têm de ser forçosamente os pais biológicos) – é a chamada regulação mútua. Durante este processo os bebés enviam mensagens na expectativa de uma resposta, sendo evidente o seu valor adaptativo para a criança. Assim, é possível uma aprendizagem que permite, inclusive, ler o comportamento dos outros e, deste modo, desenvolver expectativas sobre eles. No entanto, é essencial que essa regulação se processe de modo adequado, dado que é partir dela que o bebé encara de forma positiva ou negativa a realidade à sua volta. Desta forma, se estiver satisfeito, desenvolve um sentimento de segurança e bem-estar, caso contrário, pode ficar frustrado e ansioso, sentimentos que podem vir a repercutir-se negativamente no seu futuro.
Com isto, podemos então concluir que é indispensável a comunicação do bebé com outros seres humanos, logo desde a infância. Além de garantir a sua sobrevivência, possibilita um crescimento e desenvolvimento psíquico harmonioso. Somos, como todos sabem, seres sociais e, por isso, procuramos o conforto e companhia noutros indivíduos. Os bebés não são excepção. Embora pensemos o contrário, eles agem de acordo com os seus interesses e conseguem, grande parte das vezes, o que desejam. Não se deixem enganar pela sua frágil aparência!

Fonte: MONTEIRO, Manuela Matos, FERREIRA, P. T. (2007), Ser Humano, Psicologia B, Porto Editora.

Estereótipo. Preconceito. Discriminação



Como pudemos compreender, o filme “Colisão” (analisado na aula) retrata três importantes conceitos – Estereótipo, Preconceito e Discriminação – bem presentes nas diversas sociedades e culturas de todo o mundo. No desenrolar da acção vão-nos sendo apresentados vários casos e o modo como cada personagem é afectada por eles. Paralelos uns aos outros, os acontecimentos começam a ganhar forma e a sua influência ultrapassa o contexto de vida de cada família; ela invade outras vidas, outras pessoas. É a partir da história dos vários protagonistas que irei então desenvolver uma tese sobre os tópicos acima referidos. Como se formam? Quais as razões que as explicam? Qual a sua importância? São algumas das perguntas às quais tentarei responder de uma forma consistente e esclarecedora.
As situações seguintes são as que, segundo a minha perspectivam, constituem melhores exemplos de conflitos entre grupos ao longo do filme:
Exemplo 1: Ocorre um acidente entre uma mulher branca e uma asiática. No meio da confusão e do nervosismo a segunda mulher culpa a primeira. Esta não admite que a culpem e a discussão instala-se. As duas agridem-se verbalmente, tecendo comentários racistas e xenófobos.
Exemplo 2: Dois amigos negros conversam na rua sobre a discriminação e nesse momento um casal branco aproxima-se. A mulher, ao ver os dois sujeitos, teme pelo que possa acontecer quando se cruzarem, agarrando o braço do marido. Um dos negros repara e as suas convicções tornam-se mais evidentes, dizendo ao seu amigo que a mulher é racista dado que tem medo de passar perto deles. Furiosos decidem assaltar o casal quando estes estavam a entrar no seu carro, ameaçando-os com armas de fogo. Em pânico, o casal não oferece resistência.
Exemplo 3: Um polícia americano manda encostar um veículo que circulava, porque o condutor e a esposa eram negros. Sem qualquer razão ordena-os para saírem do carro, tratando-os como se fossem criminosos. Humilhados vêm-se ainda obrigados a pedir desculpa e só depois regressam a casa.
Exemplo 4: Um dos negros que tinha assaltado o casal branco arrepende-se do que fez, pois começa a compreendê-los. Fugindo da polícia pede boleia durante a noite. Um rapaz branco (que era polícia) pára e pede-lhe que entre. Depois de começarem a conversar, o branco sente-se ofendido pois o negro diz que gosta de música country e de hóquei no gelo, algo que não faz parte da cultura negra. Considera, portanto, que o negro está a ser irónico. A tensão aumenta e o negro continua a rir-se, remexendo no bolso. O rapaz branco pensa que é um revolver e, sem lhe dar tempo, dispara sobre o outro, quando descobre que ele tinha na mão a imagem de um santo.
Antes de começar a relacionar os exemplos com os temas a abordar gostaria de, primeiramente, dar uma pequena noção sobre cada um.
Estereótipo é um conjunto de crenças, de ideias “feitas”, que transmitem uma imagem simplista de um objecto ou pessoas. Generalizam todos os elementos de um grupo a partir do comportamento de alguns deles. Há, portanto, uma categorização, uma classificação positiva ou negativa em relação ao outro, que surge das interacções sociais.
O preconceito é também uma atitude e tem como base o estereótipo. Através da informação do estereótipo faz uma avaliação, um pré-juízo em relação aos outros indivíduos e aos grupos que os constituem.
Por sua vez, a discriminação são os comportamentos que derivam dos estereótipos e dos preconceitos. Geralmente são negativos e podem acentuar-se em situações de crise (política, económica, social...), variando entre o afastamento à violência e agressão.
Através dos exemplos mencionados podemos estabelecer uma relação com estes temas. De facto, nas várias situações descritas o motivo do conflito era a cor da pele, o país, a cultura a que pertenciam. Isto é, aos grupos sociais a que pertenciam. As ideias erradas acerca dos brancos, dos negros, dos árabes, dos chineses (entre outros) estavam tão difundidas, tão enraizadas que se transformavam em verdadeiros estereótipos, em preconceitos, conduzindo, por fim, às discriminações. Em vez de tentarem resolver os seus assuntos civilizadamente, os indivíduos procuravam culpar-se mutuamente porque acreditavam que o outro conservava características negativas, características típicas de criminosos, de ignorantes, de avarentos, de preguiçosos. Assim, o seu comportamento era definido por um conjunto de valores que já estavam predefinidos e estipulados. No filme a mulher asiática culpou a mulher branca de causar o acidente, porque pensava que a branca tinha feito uma condução perigosa, visto que, de acordo com a sua visão os brancos pensam que o mundo é todo deles e não respeitam nada nem ninguém. O polícia matou o negro porque muitos deles são criminosos e violentos e, como tal, o branco pensou tratar-se de mais um. Categorizou-o, generalizou-o por causa de outros negros que contribuíram para a construção desse preconceito.
Com ou sem intenção acabámos por discriminar os outros graças a casos particulares. “Paga o justo pelo pecador”.
Porém, é importante referir que tanto os estereótipos como os preconceitos se podem alterar, fazendo com que o acto discriminatório deixe de existir. Perante acontecimentos extraordinários onde vários elementos ou vários grupos sejam obrigados a conhecerem-se melhor, constatar-se-á que, muito provavelmente, esses indivíduos não possuem as características negativas que se julgavam ter.
Mas porque razão ou razões existem os estereótipos, os preconceitos e as discriminações?
À semelhança do que já foi dito, os estereótipos permitem-nos simplificar a realidade social, definindo-se o que está certo e o que está errado. Deste modo, possibilitam-nos uma maior adaptação ao meio que nos envolve – função sociocognitiva. Além disso, através deles reconhecemo-nos num determinado grupo (endogrupo), distinguindo-o de todos os outros (exogrupo). Somos o que somos porque pertencemos a um conjunto específico de elementos, desenvolvendo-se os sentimentos de “nós” e de “eles”, bem como os sentimentos de protecção em relação aos indivíduos com quem nos identificamos e de hostilidade em relação aos indivíduos diferentes de nós.
Relativamente aos preconceitos existe também uma função socioafectiva que explica a sua existência. Tal como acontece com os estereótipos, estes visam a protecção e a coesão do grupo, em detrimento dos restantes.
Por fim, a discriminação é fruto dos dois factores anteriores. Perante a cultura, a época, e as formas de cada um pensar em particular existem diferentes formas de discriminação e diferentes grupos vítimas de discriminação. Varia consoante os valores considerados mais ou menos importantes para seres humanos diferentes.

Fonte: MONTEIRO, Manuela Matos, FERREIRA, P. T. (2007), Ser Humano, Psicologia B, Porto Editora.








Preformismo e Epigénese

Perspectivas Sobre a Acção Genética: Preformismo e Epigénese

Com o desenvolvimento da ciência o ser humano teve oportunidade de alargar os seus conhecimentos e os seus horizontes sobre o mundo que o rodeia, os fenómenos que lhe estão associados e, como é claro, sobre si mesmo.
Uma dessas descobertas recai precisamente sobre o modo como se processa a transmissão da informação genética de pais para filhos e de que forma o genótipo – o conjunto de genes individuais de cada ser vivo – define física e intelectualmente cada um de nós. Assim, desenvolveram-se, em torno desta questão, duas teorias sobre as perspectivas da acção genética: Preformismo e Epigénese.
A teoria do Preformismo (formulada em meados do século XVII), defendia que o ovo continha, no seu interior, um ser em miniatura, completamente formado quer fisicamente, quer a nível das suas capacidades cerebrais – o homúnculo. Deste modo, a sua evolução enquanto ser humano limitava-se ao mero crescimento do seu corpo, a uma ampliação das estruturas preexistentes no ovo, não tendo em conta a influência do meio envolvente no indivíduo. Esta conjectura apoiava, assim, que o ser humano era determinado somente por factores genéticos e que, por isso, estava condicionado por um determinismo hereditário. Este facto explica, então, a razão pela qual muitas vezes se vestiam e abordavam as crianças de maneira semelhante à dos adultos, acreditando-se que eram tão desenvolvidos psicologicamente quanto eles.
Por sua vez, a Epigénese – que se refere a todas características humanas que não são consequência da informação genética – vem defender uma teoria oposta, sendo negada a hipótese de preformismo (por Caspar Wolff durante o século XVIII). Segundo esta concepção, não existe um ser preformado no ovo, mas sim um ser inacabado que se vai desenvolvendo lenta e gradualmente e cujas características físicas e mentais são construídas a partir da informação patente no genótipo e da sua envolvência no meio que o rodeia. À medida que se desenvolve vai adquirindo novas aptidões que resultam das várias experiências que vive. Ou seja, o genótipo é apenas uma instrução das características que podem ou não manifestar-se.
Como podemos concluir, a visão epigenética sobre a evolução dos indivíduos é mais correcta. Isto porque na realidade os seres humanos nascem inacabados (prematuros e neoténicos), com capacidades muito inferiores àquelas que se evidenciarão em adulto. Tomemos como exemplo um recém-nascido que, durante bastante tempo se mostra incapaz de se deslocar sozinho, de falar e até de comer por si próprio.
Ao contrário do que se verifica nos restantes animais, sofremos um grande inacabamento biológico, o que torna o nosso cérebro único e individual. Sendo incompleto, ele vai depender do meio para se moldar e para se desenvolver, transformando-se em algo flexível e plástico. Não nascemos humanos, vamos construindo o nosso próprio “eu” ao longo de toda a vida. Não existem dois cérebros, nem duas pessoas iguais, pois cada um tem experiências de vida diferentes e singulares.

Fonte: MONTEIRO, Manuela Matos, FERREIRA, P. T. (2007), Ser Humano, Psicologia B, Porto Editora.

Colisão


O filme “Colisão” retrata a história de várias pessoas que vivem em Los Angeles, uma das cidades mais multiculturais do mundo, que irão viver diversas situações de confronto entre os vários segmentos étnicos que lá se podem encontrar e pertencentes a diferentes classes sociais. Este é um filme sobre ódio e amor, reflexão e inconsciência, solidão e companheirismo numa cidade onde reina o preconceito, e que em apenas dois dias os personagens irão todos entrar em “colisão” devido aos conflitos em que se envolvem e isso fá-los examinar os seus próprios preconceitos.
Em todas as sociedades existem estereótipos, estes consistem no conjunto de crenças que nos dá uma imagem simplificada sobre as características de um determinado grupo, são aprendidos no decurso do processo de socialização e correspondem a um processo de categorização social, essencial para que nos possamos adaptar ao meio, e assim dar um sentido ao mundo. Como as relações interpessoais são muito complexas, os estereótipos são uma forma de simplificar a realidade, tornando-as possíveis. Por isso estes têm uma função sociocognitiva. E uma função socioafectiva porque dão um sentimento de identidade social ao grupo que os partilha, reforçando o sentimento do “nós” por oposição aos outros.
O conteúdo dos estereótipos são construções sociais que visam “domesticar o que é estranho” como disse Moscovici, porque ao serem tão simplistas, generalistas e baseados em informações falsas expõe-nos ao imprevisível, e são dificílimos de alterar, acabando mesmo por funcionar como um filtro cognitivo. Exemplo disso, no filme, temos um polícia que ao ouvir um negro dizer que gosta de música country ri-se, pois na sua categorização dos negros, estes não gostam deste género de música.
Os estereótipos, devido à sua simplicidade, estão na origem dos preconceitos, que são uma atitude que envolve um pré-juízo, um pré-julgamento, na maior parte das vezes negativo, relativamente a pessoas ou grupos sociais. Nos preconceitos dominam a função socioafectiva, assumindo frequentemente, posições radicais contra grupos sociais, conduzindo a actos de discriminação.
Um bom exemplo de um preconceito patente no filme, é quando uma personagem ao ver que o serralheiro que está a alterar a fechadura de sua casa é mexicano com tatuagens, julga-o logo como sendo alguém potencialmente perigoso, que não é de todo de confiança.
Na base da discriminação está portanto o preconceito, e designa-se por discriminação o comportamento dirigido aos indivíduos que decorre do preconceito. E podemos observar como um comportamento discriminatório, quando dois personagens vão na rua, e a mulher ao avistar dois negros na sua frente, dá o braço ao marido. Pois esta, com base no seu preconceito para com os negros, assume logo um comportamento condicionado. Outro exemplo bem visível no filme é quando o iraniano vê que a sua loja foi assaltada e vai logo atrás do serralheiro mexicano para o tentar matar, porque pensa que este foi o culpado da situação.
Os conceitos estereótipos, preconceito e discriminação estão relacionados, uma vez que o estereótipo é a uma imagem generalizada sobre um grupo, dado que não existe realidade social, nós temos que objectivar, construir representações sociais sobre aquilo que se passa à nossa volta para facilitar a nossa adaptação social, e é a componente cognitiva do preconceito e este por sua vez explica o comportamento discriminatório.
Para terminar, este filme onde aparentemente os personagens parecem não apresentar qualquer ligação, no final toda esta teia de histórias se relaciona de alguma forma. E ao contrário do que estamos habituados a ver neste filme não existem personagens boas ou más, como o típico “polícia corrupto” e o “colega bonzinho”. Pois na verdade ninguém sabe como irá reagir sem estar a viver as situações e tal como disse o polícia Jonh Ryan ao colega: “ You think you know who you are? You have no idea” (Pensas que sabes quem tu és? Não fazes a mínima ideia.) a verdade é mesma assim, e não podemos condenar nenhuma personagem pois se algo dia nos estivermos numa situação semelhante, só no momento é que sabemos como reagir independentemente daquilo que nos digam para fazer. E este filme mostra-nos exactamente isso, que é possível alguém agredir uma pessoa num determinado contexto, e noutro ter a dignidade de a salvar, quando seria bem mais fácil deixá-la morrer.

Fonte:
Livro de Psicologia – “Ser Humano” 12ºano, Porto Editora

Vinculação


O bebé tem necessidade de manter contactos físicos ou de proximidade para se desenvolver adequadamente. O envolvimento físico e emocional que se estabelece na relação mãe-bebé permite que a criança cresça equilibradamente para fazer face às necessidades e dificuldades do dia-a-dia.
As respostas às socializações e a forma como a mãe interpreta o choro (ou outras competências comunicacionais) respondendo ao que o bebé necessita, a maneira como o embala, por exemplo, ultrapassa a resposta imediata. Pois a mãe ao responder disponibiliza prazer e satisfação e influencia muitos aspectos da constituição psicológica da criança.
A um processo de vinculação securizante corresponderá uma melhor regulação emocional, favorece a confiança em si próprio, a capacidade de ultrapassar as dificuldades, em se sentir seguro consigo mesmo e com os outros… Esta desempenha o papel de regulador emocional, designadamente face ao stress, por outro lado, a segurança da relação da criança com os progenitores propicia o desenvolvimento da sua autonomia no sentido da construção da identidade pessoal. Pois é o sentimento de segurança e de confiança em saber que os pais permanecem que motiva a criança a ousar explorar o meio, a afastar-se, a sentir-se livre para estabelecer outras relações, ou seja, para “abrir as asas e voar”. JJ
Estar vinculado é utilizar o que se designa por “base de segurança” a partir da qual o indivíduo explora o mundo, e para a qual regressa se sentir ameaçado ou inseguro. E este sentimento de segurança é essencial para o equilíbrio psicológico.
Na base do processo de individuação está portanto a vinculação. A individuação é uma necessidade primária de o ser humano criar a sua própria identidade, a sua individualidade, de se distinguir daqueles com quem mantém laços de vinculação. E são as figuras de vinculação que favorecerão o processo de individuação, ao desenvolverem relações de segurança e de confiança.
A sensação de estarmos seguros, porque a outro estamos afectivamente ligados,
tem sido amplamente investigada nas últimas décadas, e descrita como o
alicerce para um desenvolvimento saudável.

Fontes:
Livro de Psicologia – “O Ser humano” 12ºano, Porto editora
http://piprem.blogspot.com/2007/11/em-reguengos-dia-5-de-dezembro-de-2007.html


E tu? O que entendes por afectividade?



É muito provável que tenhas descrito afectividade como um comportamento amoroso, atitudes delicadas, bom humor. Ou seja, quando pensamos na palavra afectividade, o que nos ocorre são atitudes e comportamentos que chamamos de positivos. Nunca podemos imaginar como afectividade sentimentos como ódio, raiva, medo. No entanto, a Psicologia informa-nos que a nossa vida afectiva ou a nossa afectividade é o conjunto de todos os nossos sentimentos, emoções, humores, paixões, sejam eles positivos ou negativos.
Assim, a afectividade faz parte de nossa vida psíquica e para estudar o ser humano temos que considerar a importância dos afectos. Muitas vezes programamos uma forma de agir e quando nos deparamos com a situação fazemos tudo completamente diferente. Isto acontece porque os afectos interferem no nosso comportamento. Para algumas teorias, os afectos dão significado aos estímulos do mundo externo. A vida afectiva é composta por dois afectos básicos que são o amor e o ódio e que também estão juntos nas nossas acções e pensamentos. Ao falarmos em afectividade temos que considerar as emoções, que são expressões da vida afectiva e que são acompanhadas de reacções breves do organismo em resposta a um acontecimento inesperado. Quando por exemplo, sentimos medo, a emoção aparece acompanhada de fortes batimentos cardíacos e, por muito tempo, este facto fez com que as pessoas acreditassem que o coração fosse o lugar das emoções. Tremores, risos, choro, lágrimas, expressões faciais, jeito de falar e outras reacções orgânicas também acompanham as emoções. Estas reacções são “descargas” da tensão do organismo emocionado.
Cada cultura tem expressões diferentes para as emoções. Em toda a cultura, além de acontecer uma estimulação para certos tipos de expressão emocional, há a repressão de outras. Em certas culturas os homens por exemplo, são proibidos de chorar, como se o choro fosse um sinal de fraqueza, e as mulheres são mais incentivadas a expressar o que sentem. Estas reacções são aprendidas através do que a cultura selecciona através de normas e regras impostas numa sociedade. Uma mesma reacção pode expressar emoções diferentes e assim, por exemplo, podemos chorar de tristeza ou de alegria. De acordo com as emoções que temos, diante de cada situação, podemos avaliar melhor o que nos acontece. Elas têm uma função adaptativa e também estão ligadas a uma possibilidade de linguagem, na medida em que podemos dizer ao outro o que sentimos, através delas. As emoções podem ser de raiva, medo, vergonha, desprezo, tristeza, alegria, amor, paixão, atracção e outras. Podem ser fortes, fracas, passageiras duradouras e podem mudar com o tempo, fazendo com que uma coisa que nunca nos emocionou passe a nos emocionar. Podemos ou não saber definir que tipo de emoção estamos a sentir em determinadas situações. Perante a nossa história pessoal somos “levados” a sentir determinadas emoções singulares e únicas.
Outra forma de expressão de nossa afectividade são os sentimentos, que são diferentes das emoções por serem mais duradouros, e pelas reacções orgânicas que não são tão intensas. Os sentimentos estão voltados para o nosso interior, são privados, por isso contrariamente as emoções não se podem observar e interpretar. São mais amenos e podem ser a amizade, a ternura e outros. Pode-se dizer por isso que os sentimentos são de cada um, são únicos. Mas como lidar com eles? Como fazer com que uma paixão deixe de incomodar? Como fazer com que a raiva vá embora? Por outras palavras, como será possível dominar os sentimentos? Ou não será possível?
As manifestações da nossa afectividade estão presentes em tudo o que fazemos, pensamos e sentimos. E tu? Olha no teu interior, desvenda os sentimentos que só a ti te pertencem e, emociona-te sempre que o meio assim o desejar, porque no fundo é isso que tu és…

• MONTEIRO, Manuela e FERREIRA, Pedro. Ser Humano. 2ª Ed. Vol. 2. Porto Editora, 2006.
• http://filosofiadaarte.no.sapo.pt/emoc.html
• http://www.lite.fae.unicamp.br/cursos/ep127/emocao.htm
• http://gballone.sites.uol.com.br/afeto.html

Filipa Correia

O que é a memória?



Vamos lá recorrer a nossa memória e tentar perceber o que é isto de memória… Ups, mas que falha de memória, recorrer ao próprio conceito para entender o que significa!! Mas afinal se tentarmos colocar a memória de lado não conseguiremos, certamente, definir seja memória, seja outra palavra. Será assim tão importante a nossa memória? Até que ponto?
Podemos caracterizar memória como um dos processos cognitivos existentes que tem sustento na aquisição bem como na evocação dos conhecimentos, das experiências, das informações, entre outros elementos. Tentando dar uma resposta objectiva às questões levantadas anteriormente, posso afirmar que sim, a memória é condição de sobrevivência. Isto acontece, porque permite que nos adaptemos ao meio envolvente e com isso aprendamos, criando-se assim o “eu”, a identidade pessoal (que todos nós temos necessidade de nos afirmar enquanto Seres Humanos).
A memória é ainda caracterizada por três processos, que se designam por codificação, armazenamento e recuperação da informação. Num conhecimento mais comum, a memória pode ser a curto ou a longo prazo.
Relativamente à memória a curto prazo é possível dizer que a informação é mantida num limitado período de tempo, em que passa ou a ser esquecida ou a longo prazo. Dentro desta ainda conseguimos encontrar a memória imediata (dura apenas por segundos) e a memória de trabalho (dura enquanto nos for útil).
Falando, agora, da memória a longo prazo sabe-se que esta se “serve” dos elementos da memória a curto prazo, a sua capacidade é ilimitada, bem como o tempo que pode durar. Distinguem-se dois tipos desta memória, a declarativa (memória verbalizável) e não declarativa (informações que se apresentam nos comportamentos motores dos quais não temos consciência). Quanto à memória declarativa ainda podemos dividi-la em memória semântica (memória da linguagem) e memória episódica (experiências pessoais).
É certo que a memória não retrata a realidade de uma forma inquestionável, já que as lembranças estão influenciadas pelas emoções e experiências, mas esta faz uma reconstrução da informação recebida no decorrer do tempo, salientando-a, omitindo-a ou até mesmo distorcendo-a. É, assim, um processo inconsciente que implica como que uma idealização do passado. A esta reconstrução do passado podemos associar a identidade grupal/colectiva e a pessoal.
E já que vamos nisto de memorizar passemos ao seu contrário… Esquecer!!
O QUE É O ESQUECIMENTO?

O esquecimento é algo comum e que normalmente odiamos que aconteça…Mas será que é algo tão mau?
Caracterizado pela incapacidade de recuperação dos dados, o esquecimento torna-se então um “aliado” da memória, ou seja, só memorizamos e continuamos a adquirir informações, porque esquecemos. Muitas condições acabam por explicar este processo seja a interferência das aprendizagens, o decorrer do tempo e até mesmo o esquecimento motivado.
O esquecimento tem uma carácter selectivo e até mesmo adaptativo, digo isto com base no facto de este seleccionar o que nos é útil e eliminar aquilo que temos em desuso.
Agora firmemente vos garanto, não há memória sem cognição, ela nos permite representar o mundo bem como concretizar uma projecção do futuro com base na estruturação do presente, esta, ainda, nos actualiza os dados necessários para darmos respostas aos desafios do nosso meio envolvente. Encaro a memória mesmo como preciosa, para além da semântica e muitas outras, saliento a episódica, as lembranças da vida pessoal não são o que de mais puro guardamos? Quantas vezes já soltaste um sorriso sincero a relembrar momentos? Quantas vezes rolaram lágrimas por teu inocente rosto visualizando mentalmente situações vividas?
Agora só questiono: e tu, achas que a tua vida continuaria a ser vivida com a mesma audácia se não houvesse memória?!

Bibliografia:
Manual de Psicologia B 12ºano:
Monteiro, Manuela; Ferreira Pedro ; Ser humano 2ª parte

O lado positivo do conflito



Vivemos em sociedade, integrados em diferentes grupos sociais e é no seio da interacção com os outros que surgem os conflitos.
O conflito é uma tensão que envolve pessoas ou grupos quando existem tendências ou interesses incompatíveis. Na verdade, o antagonismo de interesses é, pois, uma hipótese plausível para a origem dos conflitos, quer sejam de ordem ideológica, cultural, religiosa, económica, cultural ou política. É também suficientemente ampla, abarcando a escassez de recursos, o antagonismo de crenças e as assimetrias de poder. Uma vez instalados, os conflitos podem ser reactivados e alimentados pelos preconceitos e atitudes negativas.
De facto, o conflito enfatiza uma perspectiva negativa, com aspectos perturbadores em elação à organização social e um exemplo de um conflito onde está presente esta “versão” negativa é o desentendimento isrealo-árabe, cujo processo se tem vindo arrastar há mais de 50 anos, sem trazer benefícios para nenhuma das partes.
Porém, esta faceta desagradável dos conflitos não pode esconder o papel favorável da sua dinâmica para a mudança e progressos sociais.
É estranho assimilar a ideia de que os conflitos possuam um lado positivo, mas é verdade que esta ideia se constata quer a nível intrapessoal quer a nível intragrupal.
Os conflitos intrapessoais (o que cada um de nós vive quando está perante motivações que são incompatíveis) são positivos porque depois de ultrapassados somos capazes de responder de forma mais adaptada à situação que vivemos.
Ao nível intragrupal os conflitos também albergam o seu carácter positivo, isto porque o confronto é gerador de mudança que é fundamento de evolução e do desenvolvimento social.
Perdendo a conotação totalmente negativa, os conflitos são encarados como um elemento vital à mudança. Muitos avanços a que se assistiu ao longo da história resultaram de inúmeros conflitos que conseguiram dinamizar grupos humanos. A título de exemplo, pensemos no contributo dos conflitos entre os negros e os brancos para o reconhecimento da igualdade de todos os cidadãos ou então pensemos talvez nas manifestações em Paris lideradas por estudantes em Maio de 1968 que abalaram o sistema político vigente em França tendo como consequência a melhoria do funcionamento de inúmeras instituições sociais.
Os conflitos são uma realidade e podem ser úteis nas diferentes instâncias, isto porque impedem a estagnação e estimulam o surgimento de ideias e estratégias.
Em suma, apesar de os conflitos incrementarem um carácter pernicioso estes também possuam um carácter positivo inerente à vida social do Homem.

“Rir é correr risco de parecer tolo.
Chorar é correr risco de parecer sentimental.
Estender a mão é correr risco de se envolver.
Expor seus sentimentos é correr risco de mostrar seu verdadeiro eu.
Defender seus sonhos e ideias é correr risco de perder pessoas.
Amar é correr risco de não ser compreendido.
Viver é correr risco de estar sempre em conflito, consigo e com os outros.
Contar é correr risco de se decepcionar.
Tentar é correr risco de fracassar.
A pessoa que não corre nenhum risco, não entra em conflito e evita alguns sofrimentos e desilusões, contudo, não sentem, não mudam, não crescem, não amam, não vivem.
O risco e o conflito fazem parte da vida que nos cobra decisões a cada instante.
O importante é decidir e agir sempre com consciência e liberdade, buscando tudo aquilo que nos trará felicidade.”

Bibliografia:
http://www.cutenath.blogger.com.br/riscos%20e%20conflitos.jpg
Monteiro, Manuela Matos e Ferreira, Pedro Tavares – Ser humano, Psicologia B do 12º ano-1ª parte, Porto editora

Freud e o inconsciente

Contributos na história da Psicologia para o estudo do comportamento humano na sua complexidade

Freud e o inconsciente

Freud distinguiu três níveis de consciência, na sua inicial divisão topográfica da mente:

- Consciente - diz respeito à capacidade de ter percepção dos sentimentos, pensamentos, lembranças e fantasias do momento;

- Pré-consciente - relaciona-se com os conteúdos que podem facilmente chegar à consciência;

- Inconsciente - refere-se ao material não disponível à consciência ou ao escrutínio do indivíduo.
No entanto, o ponto nuclear da abordagem psicanalítica de Freud é a convicção da existência do inconsciente como:
a) Um receptáculo de lembranças traumáticas reprimidas;
b) Um reservatório de impulsos que constituem fonte de ansiedade, por serem socialmente ou eticamente inaceitáveis para o indivíduo.

A perspectiva psicanalítica de Freud surgiu no início do século XX, dando especial importância às forças inconscientes que motivam o comportamento humano. Freud, baseado na sua experiência clínica, acreditava que a fonte das perturbações emocionais residia nas experiências traumáticas reprimidas nos primeiros anos de vida. Desta forma, assumia que os conteúdos inconscientes, apenas se encontravam disponíveis para a consciência, de forma disfarçada (através de sonhos e lapsos de linguagem, por exemplo). Neste sentido, Freud desenvolveu a psicanálise, uma abordagem terapêutica que tem por objectivo dar a conhecer às pessoas os seus próprios conflitos emocionais inconscientes. Freud acreditava que a personalidade forma-se nos primeiros anos de vida, quando as crianças lidam com os conflitos entre os impulsos biológicos inatos, ligados às pulsões e às exigências da sociedade.
Considerou que estes conflitos ocorrem numa sequência invariante de fases baseadas na maturação do desenvolvimento psicossexual, no qual a gratificação se desloca de uma zona do corpo para outra – da zona oral para a anal e depois para a zona genital. Em cada fase, o comportamento, que é a principal fonte de gratificação, muda – da alimentação para a eliminação e, eventualmente, para a actividade sexual.
Das cinco fases do desenvolvimento da personalidade, Freud considerou as três primeiras - relativas aos primeiros anos de vida – como sendo cruciais. Sugeriu que, o facto das crianças receberem muita ou pouca gratificação em qualquer uma destas fases, pode levar ao risco de fixação – uma paragem no desenvolvimento – e podem precisar de ajuda para ir para além da fase dessa fase. Acreditava ainda que as manifestações de fixações na infância emergiam em adulto.
Segundo Freud, durante a fase fálica, no período pré-escolar, quando a zona de prazer muda para os genitais, ocorre um acontecimento-chave no desenvolvimento psicossexual: os rapazes desenvolvem uma ligação ou vínculo sexual à mãe e as raparigas ao pai e vêem como rival a figura parental do mesmo sexo (denominado de “Complexo de Édipo”); o rapaz aprende que a rapariga não tem pénis, assumindo que aquele foi cortado e teme que o seu pai o possa também castrar. A rapariga, por sua vez, experiencia, o que Freud chamou de inveja do pénis e culpa a sua mãe por não lhe ter dado um pénis. Possivelmente, as crianças resolvem a sua angústia identificando-se com a figura parental do mesmo sexo. Durante o período escolar, fase da latência, as crianças acalmam, socializam-se, desenvolvem competências e aprendem acerca de si própria e da sociedade. A fase genital, a última fase subsiste pela vida adulta. As mudanças físicas da puberdade reactivam a libido, a energia que alimenta as pulsões sexuais.
As pulsões sexuais da fase fálica, reprimidas durante a latência, voltam a emergir para fluir de uma forma socialmente aceite, naquilo que Freud definiu como relações heterossexuais com pessoas forra da família de origem.

Freud propôs ainda três hipotéticas instâncias da personalidade: o id, o ego e o superego.

O id é o reservatório inconsciente das pulsões, as quais estão sempre activas. Regido pelo princípio do prazer, o id exige satisfação imediata desses impulsos, sem levar em conta a possibilidade de consequências indesejáveis.
O ego funciona principalmente a nível consciente e pré-consciente, embora também contenha elementos inconscientes, pois evoluiu do id.
Regido pelo princípio da realidade, o ego cuida dos impulsos do id, logo que encontre a circunstância adequada. Desejos inadequados não são satisfeitos, mas reprimidos. Apenas parcialmente consciente, o superego serve como um censor das funções do ego (contendo os ideais do indivíduo derivados dos valores familiares e sociais), sendo a fonte dos sentimentos de culpa e medo de punição.
Obstáculo ao Crescimento: a Ansiedade
Para Freud, o principal problema da psique é encontrar maneiras de enfrentar a ansiedade. Esta é provocada por um aumento, esperado ou previsto, da tensão ou desprazer, podendo se desenvolver em qualquer situação (real ou imaginada), quando a ameaça a alguma parte do corpo ou da psique é muito grande para ser ignorada, dominada ou descarregada. As situações prototípicas que causam ansiedade incluem as seguintes:
1. Perda de um objecto desejado - Por exemplo, uma criança privada de um dos pais, de um amigo íntimo ou de um animal de estimação.2. Perda de amor - A rejeição ou o fracasso em reconquistar o amor, por exemplo, ou a desaprovação de alguém que lhe importa.3. Perda de identidade - É o caso, por exemplo, daquilo que Freud chama de medo de castração, da perda de prestígio, de ser ridicularizado em público.4. Perda de auto-estima -. Por exemplo a desaprovação do Superego por actos ou traições que resultam em culpa ou ódio em relação a si mesmo.
A ameaça desses ou de outros eventos causa ansiedade e haveria, segundo Freud, dois modos de diminuir a ansiedade. O primeiro modo seria lidando directamente com a situação. Resolvemos problemas, superamos obstáculos, enfrentamos ou fugimos de ameaças, e chegamos a termo de um problema a fim de minimizar seu impacto. Desta forma, lutamos para eliminar dificuldades e diminuir probabilidades de sua repetição, reduzindo, assim, as perspectivas de ansiedade adicional no futuro.
A outra forma de defesa contra a ansiedade deforma ou nega a própria situação. O Ego protege a personalidade contra a ameaça, falsificando a natureza desta. Os modos pelos quais se dão as distorções são denominados Mecanismos de Defesa.

Mecanismos de defesa

Mecanismos de defesa são processos psíquicos inconscientes que aliviam o ego do estado de tensão psíquica entre o id intrusivo, o superego ameaçador e as fortes pressões que emanam da realidade externa.
Devido a esse jogo de forças presente na mente, em que as mesmas se opõem e lutam entre si, surge a ansiedade cuja função é a de assinalar um perigo interno. Esses mecanismos entram em acção para possibilitar que o ego estabeleça soluções de compromisso (para problemas que é incapaz de resolver), ao permitir que alguns componentes dos conteúdos mentais indesejáveis cheguem à consciência de forma disfarçada.
No que toca ao fortalecimento do ego, a eficiência desses mecanismos depende do nível de integração dessas forças mentais conflituosas por parte do ego, pois diferentes modalidades de formação de compromisso poderão (ou não) vir a tornar-se sintomas psiconeuróticos.
Quanto mais o ego estiver bloqueado em seu desenvolvimento, por estar enredado em antigos conflitos (fixações), apegando-se a modos arcaicos de funcionamento, maior é a possibilidade de sucumbir a essas forças.

Os principais mecanismos de defesa são os seguintes:

1. Repressão - retirada de ideia, afectos ou desejos perturbadores da consciência, pressionando-os para o inconsciente.
2. Formação reactiva - fixação de uma ideia, afecto ou desejo na consciência , opostos ao impulso inconsciente temido.
3. Projecção - sentimentos próprios indesejáveis são atribuídos a outras pessoas.
4. Regressão - retorno a formas de gratificação de fases anteriores, devido aos conflitos que surgem em estágios posteriores do desenvolvimento.
5. Racionalização - substituição do verdadeiro, porém assustador, motivo do comportamento por uma explicação razoável e segura.
6. Negação - recusa consciente para perceber fatos perturbadores. Retira do indivíduo não só a percepção necessária para lidar com os desafios externos, mas também a capacidade de valer-se de estratégias de sobrevivência adequadas.
7. Deslocamento - redireccionamento de um impulso para um alvo substituto.
8. Anulação - através de uma acção, busca-se o cancelamento da experiência prévia e desagradável.
9. Interjeição - estreitamente relacionada com a identificação, visa resolver alguma dificuldade emocional do indivíduo, ao tomar para a própria personalidade, certas características de outras pessoas.
10. Sublimação - parte da energia investida nos impulsos sexuais é direccionada à consecução de realizações socialmente aceitáveis (e.g., artísticas ou científicas).

Em suma, a teoria de Freud constituiu uma importante contribuição histórica. Fez-nos tomar consciência dos pensamentos e emoções inconscientes, da ambivalência das relações precoces de pais e filhos, e da presença, desde o nascimento, de pulsões sexuais. O seu método psicanalítico influenciou muito a psicoterapia actual, embora a teoria freudiana se inscreva largamente na história e sociedade da época (na cultura europeia da época Vitoriana).

Bibliografia:
Livro de Psicologia “Mundo da Criança” de Diane E. Papalia, Sally Wendkos Olds e Ruth Duskin Feldman.

Vejo o Mundo como Eu Sou






Imagina-te nesta sala com os teus colegas, com a tua professora de Psicologia, com a janela da sala um bocado aberta… É através da visão que recebes informações que te situam nesse lugar. Para além de ouvires a tua professora, também ouves os teus colegas a falarem para ti, e até mesmo a intervirem no discurso da professora. Se detiveres a tua atenção, apercebeste do ruído que passa fora da sala de aula (se alguém passar pela tua sala e começar aos gritos). Nesse dia, sentes-te bem uma vez que está um dia de sol e estás de t-shirt (não tens frio nem calor), e como puseste o teu perfume preferido, sentes um cheiro agradável. Mas, infelizmente, como estás com fome porque não tomaste o pequeno-almoço, pedes à professora para ir à casa de banho e vais à sala do aluno comprar algo para comeres. ATENÇÃO: isto não se faz =)!
Foi graças aos teus órgãos dos sentidos, que te apercebeste das cores, dos sons, dos aromas, do calor, dos sabores… A percepção é precisamente um processo cognitivo, que pode ser descrita como a forma como vemos o mundo à nossa volta, o modo segundo o qual o indivíduo constrói em si a representação e o conhecimento que possui das coisas, pessoas e situações, ainda que, por vezes, seja induzido em erro. Percepcionar algo ou alguém é captá-lo através dos sentidos e também fixar essa imagem.
As relações entre o indivíduo e o mundo que o rodeia são assim regidas pelo mecanismo perceptivo e todo o conhecimento é necessariamente adquirido através da percepção. Dois indivíduos, da mesma faixa etária, que sejam sujeitos ao mesmo estímulo, nas mesmas condições, captam-no, seleccionam-no, organizam-no e interpretam-no com base num processo perceptivo individual segundo as suas necessidades, valores e expectativas.
O processo perceptivo inicia-se com a captação, através dos órgãos dos sentidos, de um estímulo que, em seguida, é enviado ao cérebro. A percepção pode então ser definida como a recepção, por parte do cérebro, da chegada de um estímulo, ou como o processo através do qual um indivíduo selecciona, organiza e interpreta estímulos. Este processo pode ser decomposto em duas fases distintas: a sensação, mecanismo fisiológico através do qual os órgãos sensoriais registam e transmitem os estímulos externos; e a interpretação que permite organizar e dar um significado aos estímulos recebidos.
A sensação corresponde a uma resposta directa e imediata dos órgãos sensoriais a um estímulo básico como por exemplo a luz, a cor, o som ou o tacto. A sensibilidade ao estímulo varia consoante a qualidade sensorial dos órgãos receptores e a quantidade e a intensidade dos estímulos aos quais estamos expostos. Por exemplo, uma pessoa cega tem a percepção auditiva e táctil mais desenvolvida que a maioria das pessoas e como tal é capaz de ouvir sons que normalmente as pessoas não ouvem conscientemente.
As percepções não são cópias do mundo à nossa volta. A percepção não reproduz o mundo como um espelho, o cérebro não regista o mundo exterior como um fotógrafo: constrói uma representação mental ou imagem da realidade. E é no cérebro que se vão estruturar e organizar as representações do mundo, é no cérebro que se dá sentido ao que vemos e ouvimos. Por isso se diz que é no cérebro que se ouve, se vê, se sente o calor, os cheiros, os sabores. A informação proveniente dos órgãos sensoriais é tratada pelo cérebro. É nesta estrutura que ganha sentido e significado.
“Vejo o mundo como eu sou e não como ele é”…

Alexandra Tolda Pinto nº1 12ºB

sábado, 12 de abril de 2008

O ser humano para além do biológico...

Concordo plenamente contigo, Sofia Oliveira, o Homem é um enigma. “Quem é afinal este ser que se julga tão grandioso e que ao mesmo tempo não consegue dizer quem é?”
Aquilo que nós somos é resultado da nossa memória. A memória retém acontecimentos, informações, ideias, conhecimentos, encontros. É ela que nos torna únicos, assegura-nos a nossa identidade pessoal. Se associamos a memória à manutenção do passado, convém salientar que é graças a esta que podemos estruturar o nosso presente e que é possível pensarmos e projectarmos o futuro. A nossa sobrevivência está dependente da memória pois é esta que nos permite, sempre que necessitarmos, actualizar a informação necessária para responder aos desafios do meio.
Que noção da realidade tem alguém cuja memória dura apenas 30 segundos?
“Memento” de Christopher Nolan trata-se de um “thriller” psicológico construído…ao contrário. O protagonista como não consegue conservar nenhuma memória mais do que alguns minutos, necessita de escrever as suas memórias a cada instante, e fá-lo em grande parte, em tatuagens no seu próprio corpo. No limite, ele é o fantasma andante da sua própria história, quer dizer, a prova carnal de como qualquer tentativa de controlar o fluxo do tempo se aproxima da máxima lucidez ou da máxima loucura.
A personagem tem a mesma noção da realidade objectiva de que qualquer um de nós pois a única realidade objectiva é aquela das coisas percebidas pelos nossos sentidos, no instante. O que o amnésico perde é a noção de identidade e a noção de sentido. É o que nos permite julgar, tomar decisões. Um homem que perde a identidade que motivo poderá ter para continuar a viver? Qual o sentido para a sua existência, para a sua vida? Mas, o sentido não está no real, no mundo, mas sim no ideal, dentro de nós. Não está no que é, mas sim no que deve ser.
Quantas vezes criamos versos e imagens que nunca existiram? Podemos não agir sempre de acordo com as nossas recordações, mas o que fazemos fica sempre escrito pelo tempo, sendo também ele que apaga o que pensamos. Contudo, o ser humano também tem a capacidade de esquecer o que pretende esquecer, é uma forma de mecanismo de defesa através do qual pensamentos, desejos, sentimentos e recordações dolorosas são afastadas da consciência com o objectivo de reduzir a tensão provocada por conflitos internos. Tudo o que é mental pode ser construído, reformulado, manipulando o próprio ser humano.
O que somos, para além do que sabemos ou do que julgamos saber? E o mundo o que é para nós, para além do que julgamos nele ver?
O drama de Lenny, o protagonista, pode ser resumido nas suas próprias palavras “preciso acreditar que, ao fechar os olhos, o mundo continuará a existir”.
O mundo é o que está na mente de cada um de nós.
Penso que um pequeno excerto que li num livro de Nicholas Sparks – “Alquimia do Amor”- apesar de se referir concretamente à doença de Alzheimer, acho que podemos estabelecer uma certa proximidade com Lenny pois o seu “estado clínico” também está relacionado com a memória imediata – “Allie sofrera de Alzheimer, doença que acabei por considerar uma verdadeira invenção do demónio. É um lento desfazer de tudo aquilo que a pessoa já foi. Afinal, o que somos nós sem as nossas memórias, sem os nossos sonhos?”

A importância das relações precoces

Como todos nós sabemos o ser humano pode ser definido como um ser biologicamente social, e é esta vocação social que se manifesta logo após o nascimento do bebé nas relações precoces que estabelece com a mãe e com as pessoas que cuidam dele. A qualidade da relação entre o bebé e a figura parietal depende da capacidade dos cuidadores responderem adequadamente aos estados emocionais do outro e este processo designa-se por regulação mútua, e é aqui que tanto os bebés como os progenitores comunicam estados emocionais e respondem de forma adequada. Podemos então dizer que existem laços de vinculação, sendo esta a necessidade de criar e manter relações de proximidade e afectividade com os outros e assim assegurar protecção e segurança, entre o bebé e a figura parietal.
É por tudo isto que acabei de referir que podemos concluir o quão são importantes as relações que estabelecemos desde idade tenra já que estas nos vão ajudar, ou por outro lado prejudicar, na sua ausência ou quando são relações de má qualidade que perturbam o bebé, nas diferentes etapas da nossa vida já que a existência de uma boa vinculação favorecerão o nosso processo de individuação (a individuação é uma necessidade primária do ser humano que consiste em criar a sua própria identidade). Percebemos então que uma boa vinculação favorece a individuação uma vez que, se as figuras de vinculação desenvolverem relações de confiança com o bebé este vai-se sentir seguro para criar a sua identidade pois tem auto-estima e auto-confiança para enfrentar os desafios que a vida lhe impõe.